Container

Rádio Cultura Riograndina

Endereço: General Osório - Edifício Câmara do Comércio - , 430/Sala 204 - Centro - rio grande - RS - CEP 96.200-400

Telefone: (53) 3232-2303 - Celular: (53) 99164-7867 -

Pelotas

Endereço: - - RS

Telefone: (53) 9165-9164

São José do Norte

Endereço: - - RS

Telefone: (53) 3238-1100

Rio Grande, 09 de Dezembro de 2018

Rádio Cultura Riograndina - Rio Grande, Rs.

Está no ar

Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Mala Direta

Notícias

Lista dos deputados mais votados desde 1947 reflete as mudanças que a política brasileira passou

Publicado 26/09/2014

A Agência de Notícias da Assembleia Legislativa realizou um levantamento dos cinco parlamentares entre os 55 eleitos** que foram mais votados em cada uma das últimas 17 eleições (1947 a 2010). Através dos números, é possível acompanhar mudanças pelas quais a política passou no país, como o período da ditadura militar e do bipartidarismo, além da participação da mulher nesse ambiente e a evolução do eleitorado gaúcho. As informações foram compiladas do livro “As eleições no Rio Grande”, da editora Síntese, e dos sites do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS).

 

Em números absolutos, o parlamentar que mais obteve votos nesse período foi Sérgio Zambiasi (PTB): 365,3 mil em 1986, 320,3 mil em 1990, 289 mil em 1994 e 217,6 mil em 1998. Nesses quatro pleitos, ele foi o mais votado entre os candidatos eleitos para uma cadeira na Assembleia gaúcha. E apenas Maria do Carmo (PPR), que ficou em segundo lugar em 1994, ultrapassou a barreira dos 200 mil votos (209,8 mil).

 

Analisando o percentual obtido em relação ao número de eleitores votantes, Zambiasi também fica em primeiro lugar: 7,57% em 1986, 6,13% em 1990 e 7,38% em 1994. E só Pedro Simon (PMDB), em 1974, e Maria do Carmo, em 1994, conseguiram obter mais que 5% dos votos válidos: 5,49% e 5,36%, respectivamente.

 

Em relação ao número de eleitores no RS, ele cresceu de 788.659 em 1947 para 8.107.550 em 2010. O índice de abstenção foi diminuindo ao longo do tempo, saindo da casa dos 30%, em 1947, para menos da metade (14,85%), em 2010. O destaque fica por conta das eleições de 1966, as primeiras após o golpe militar, em que apenas 18,1% dos eleitores inscritos compareceu às urnas para votar. O menor índice de abstenção foi registrado em 1986, um ano após o fim do regime militar, quando apenas 3,36% dos eleitores não votaram.

 

Mulheres

Apenas cinco mulheres figuram entre os deputados mais votados nessas 17 eleições e apenas duas conseguiram o posto de primeiro lugar em um desses pleitos. O feito é de Terezinha Chaise (MDB), eleita com mais de 51 mil votos em 1966, e da atual deputada Silvana Covatti (PT), que foi eleita com mais de 85 mil votos nas últimas eleições, em 2010.

 

As outras mulheres que obtiveram um número expressivo de votos foram Maria do Rosário (PT), Maria do Carmo Bueno (PPR) e Jussara Cony (PCdoB). As duas primeiras foram as segundas mais votadas nos pleitos de 1998 e 1994, respectivamente. Maria do Rosário obteve mais de 76 mil votos, enquanto Maria do Carmo, mais de 209 mil. Já Jussara Cony foi a quarta mais votada nas eleições de 1990, com mais de 32 mil votos.

 

Partidos políticos

Nas cinco eleições realizadas antes da ditadura militar, o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) foi o que conseguiu eleger mais parlamentares entre mais votados. Em 1947, José Diogo Brochado da Rocha e Celeste Gobato foram, respectivamente, o primeiro e o terceiro mais votados.

 

Nas eleições de 1950 e 1962, quatro dos cinco mais votados eram do PTB. Em 1950, Leonel Brizola ficou em primeiro lugar, tendo os companheiros de partido Unírio Carrera Machado, Daniel Dipp e Osmar da Rocha Grafulha ficado como terceiro, quarto e quinto colocados. Em 1962, só o segundo lugar ficou com outra sigla. O mais votado foi o petebista José Laimaison Pôrto, seguido por João Caruso Scuderi (3º), Wilson da Silveira (4º) e Justino Costa Quintana (5º).

 

Já nas eleições de 1954 e 1958, todos os cinco primeiros eram filiados ao PTB.  Daniel Barnewitz Ribeiro foi o mais votado nos dois pleitos. Os demais foram, em 1954, Wilson Vargas da Silveira, Domingos Francisco Spolidoro, Walter Giordano Alves e Siegfried Emanuel Heuser; e, em 1958, Sereno Chaise, Siegfried Emanuel Heuser, Zaire Nunes Pereira e João Caruso Scuderi.

 

Durante os 12 anos em que vigorou o bipartidarismo no Brasil, o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e a Aliança Renovadora Nacional (Arena) dividiram as cadeiras no Parlamento gaúcho. Os campeões de votos nas quatro eleições entre 1966 e 1978 eram do MDB: Terezinha Chaise (1966), Pedro Simon (1970 e 1974) e José Alberto Fogaça de Medeiros (1978). Além disso, no pleito de 1974, todos os cinco mais bem colocados pertenciam a esse partido.

 

Mas, nesses pleitos, a Arena obteve três entre os mais votados em 1966, Fernando Gonçalves (3º), Solano Borges (4º) e Alexandre Machado da Silva (5º); quatro dos mais bem colocados em 1970, Otávio Germano (2º), Victor Faccioni (º3), Alexandre Machado (4º) e Rubem Scheid (5º); e o segundo mais votado em 1978, Airton Vargas.

 

Com o fim do bipartidarismo, em 1979, novas siglas surgiram, voltaram a funcionar ou retornaram à legalidade. Em 1982, o Partido Democrático Social (PDS) teve quatro dos cinco deputados mais votados: Adylson Motta (1º), Ricardo Leônidas Ribas (2º), Jarbas Lima (3º) e Enrico Pegoraro (5º).

 

Nas eleições seguintes, foi o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) quem elegeu quatro dos cinco parlamentares que obtiveram mais votos: Sergio Zambiasi (1º), Germano Rigotto (2º), Algir Lorenzon (3º) e Paulo Artur Ritzel (4º). E em 1990, o partido conseguiu eleger dois dos cinco mais votados: João Osório Ferreira Martins (2º) e Atalibio Antonio Foscarini (5º).

 

No pleito de 1994, os cinco campeões de votos eram de partidos distintos: Sergio Zambiasi (PTB), Maria do Carmo (Partido Progressista Renovador - PPR), João Osório Ferreira Martins (PMDB), Paulo Fernando dos Santos Vidal (Partido da Social Democracia Brasileira - PSDB) e Pompeo de Mattos (Partido Democrático Trabalhista - PDT).

 

Em 1998, o PTB teve dois deputados entre os cinco mais bem colocados: Sergio Zambiasi (1º) e Paulo Sergio Moreira (5º). Quatro anos depois, foi o Partido dos Trabalhadores (PT): Raul Pont (2º) e Elvino Bohn Gass (5º); e, nas duas últimas eleições, foi a vez do Partido Progressista (PP): Frederico Antunes (4º) e Jerônimo Goergen (5º) em 2006, e Silvana Covatti (1º) e Pedro Westphalen (3º) em 2010.

 

Confira os cinco mais votados de cada eleição entre 1947 e 2010

1947

  • José Diogo Brochado da Rocha (PTB) - 20.446 votos (3,67% do total)
  • Wolfram Metzler (PRP) - 10.508 (1,89%)
  • Celeste Gobato (PTB) - 8.582 (1,54%)
  • Oscar Carneiro da Fontoura (PSD) - 7.716 (1,38%)
  • Hermes Pereira de Souza (PSD) - 7.173 (1,29%)

1950

  • Leonel de Moura Brizola (PTB) - 16.691 votos (2,32% do total)
  • Candido Norberto dos Santos (PSB) - 8.471 (1,17%)
  • Unírio Carrera Machado (PTB) - 7.779 (1,08%)
  • Daniel Dipp (PTB) - 7.377 (1,02%)
  • Osmar da Rocha Grafulha (PTB) - 6.969 (0,96%)

1954

  • Daniel Barnewitz Ribeiro (PTB) - 16.545 votos (1,97% do total)
  • Wilson Vargas da Silveira (PTB) - 11.239 (1,34%)
  • Domingos Francisco Spolidoro (PTB) - 9.370 (1,11%)
  • Walter Giordano Alves (PTB) - 9.150 (1,09%)
  • Siegfried Emanuel Heuser (PTB) - 8.406 (1,00%)

1958

  • Daniel Barnewitz Ribeiro (PTB) - 20.045 votos (1,65% do total)
  • Sereno Chaise (PTB) - 16.614 (1,36%)
  • Siegfried Emanuel Heuser (PTB) - 15.462 (1,27%)
  • Zaire Nunes Pereira (PTB) - 13.748 (1,13%)
  • João Caruso Scuderi (PTB) - 13.560 (1,11%)

1962

  • José Laimaison Pôrto (PTB) - 27.102 votos (2,0% do total)
  • Cândido N. dos Santos (MTR) - 26.812 (1,98%)
  • João Caruso Scuderi (PTB) - 20.873 (1,54%)
  • Wilson V. da Silveira (PTB) - 20.788 (1,53%)
  • Justino Costa Quintana (PTB) - 14.039 (1,03%)

1966

  • Terezinha Chaise (MDB) - 51.462 votos (3,26% do total)
  • Pedro Simon (MDB) - 34.412 (2,18%)
  • Fernando Gonçalves (ARN) - 26.598 (1,68%)
  • Solano Borges (ARN) - 25.654 (1,62%)
  • Alexandre Machado da Silva (ARN) - 25.559 (1,62%)

1970

  • Pedro Simon (MDB) - 61.944 votos (3,04% do total)
  • Otávio Germano (ARN) - 39.094 (1,92%)
  • Victor Faccioni (ARN) - 35.864 (1,76%)
  • Alexandre Machado (ARN) - 34.477 (1,69%)
  • Rubem Scheid (ARN) - 31.005 (1,52%)

1974

  • Pedro Jorge Simon (MDB) - 141.883 votos (5,49% do total)
  • Lélio Miguel Antunes de Souza (MDB) - 39.181 (1,51%)
  • Carlos Loureno Giacomazzi (MDB) - 38.865 (1,50%)
  • João Carols Gastal (MDB) - 37.170 (1,44%)
  • Américo Copetti (MDB) - 33.687 (1,30%)

1978

  • José Alberto Fogaça de Medeiros (MDB) - 60.059 votos (1,91% do total)
  • Carlos Loureno Giacomazzi (MDB) - 40.913 (1,30%)
  • Lélio Miguel Antunes de Souza (MDB) - 40.705 (1,30%)
  • Ibsen Valls Pinheiro (MDB) - 40.386 (1,29%)
  • Algir Lorenzon (MDB) - 38.678 (1,23%)

1982

  • Adylson Motta (PDS)  - 53.870 votos (1,41% do total)
  • Ricardo Leônidas Ribas (PDS) - 50.552 (1,33%)
  • Jarbas Lima (PDS) - 48.694 (1,28%)
  • Eugenio Nelson Ritzel (PMDB) - 44.766 (1,17%)
  • Enrico Pegoraro (PDS) - 41.072 (1,08%)

1986

  • Sergio Pedro Zambiasi (PMDB) - 365.381 votos (7,57% do total)
  • Germano Rigotto (PMDB) - 53.837 (1,11%)
  • Algir Lorenzon (PMDB) - 44.926 (0,93%)
  • Paulo Artur Ritzel (PMDB) - 39.579 (0,82%)
  • Raul Pont (PT) - 37.171 (0,77%)

1990

  • Sergio Pedro Zambiasi (PTB) - 320.381 votos (6,13% do total)
  • João Osório Ferreira Martins (PMDB) - 35.234 (0,67%)
  • Antonio de Padua Barbedo (PDT) - 32.356 (0,62%)
  • Jussara Rosa Cony (PCdoB) - 32.136 (0,61%)
  • Atalibio Antonio Foscarini (PMDB) - 31.576 (0,60%)

1994

  • Sergio Pedro Zambiasi (PTB) - 289.025 votos (7,38% do total)
  • Maria do Carmo Teixeira Bueno (PPR) - 209.833 (5,36%)
  • João Osorio Ferreira Martins (PMDB) - 47.227 (1,21%)
  • Paulo Fernando dos Santos Vidal (PSDB) - 36.161 (0,92%)
  • Darci Pompeo de Mattos (PDT) - 36.107 (0,92%)

1998

  • Sergio Pedro Zambiasi (PTB) - 217.643 votos (4,33% do total)
  • Maria do Rosário Nunes (PT) - 76.658 (1,52%)
  • Enrico da Silva Ribeiro (PPB) - 74.587 (1,45%)
  • Germano Mostardeiro Bonow (PFL) - 68.639 (1,36%)
  • Paulo Sergio Moreira (PTB) - 60.474 (1,20%)

2002

  • Vilson Luiz Covatti (PPB) - 94.095 votos (1,58% do total)
  • Raul Jorge Anglada Pont (PT) - 69.458 (1,16%)
  • João Osório Ferreira Martins (PMDB) - 68.156 (1,14%)
  • Carlos Eduardo Vieira da Cunha (PDT) - 62.912 (1,05%)
  • Elvino José Bohn Gass (PT) - 60.578 (1,01%)

2006

  • Paulo Roberto Dornelles Borges (PFL) - 113.151 votos (1,89% do total)
  • Paulo Odone Chaves de Araujo Ribeiro (PPS) - 83.680 (1,39%)
  • Raul Jorge Anglada Pont (PT) - 73.286 (1,22%)
  • Frederico Cantori Antunes (PP) - 72.721 (1,21%)
  • Jerônimo Pizzolotto Goergen (PP) - 69.550 (1,16%)

2010

  • Silvana Maria Covatti (PP) - 85.604 votos (1,24% do total)
  • Marco Soares Alba (PMDB) - 82.269 (1,19%)
  • Pedro Westphalen (PP) - 72.910 (1,05%)
  • João Edegar Pretto (PT) - 69.233 (1,002%)
  • Lucas Bello Redecker (PSDB) - 69.043 (1,000%)

Fonte: Letícia Rodrigues - Agência de Notícias AL

Compartilhe

Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS

Enquete

Você concorda com o fim do auxílio-reclusão e a criação de um benefício para as vítimas dos crimes?

Resultado

Banner1 178x317

Banner7 178x88

Banner5 178x88

Topo 982x346

Banner3 178x88

Banner4 178x88

Banner2 178x88

Banner6 178x88