Container

Rádio Cultura Riograndina

Endereço: General Osório - Edifício Câmara do Comércio - , 430/Sala 204 - Centro - rio grande - RS - CEP 96.200-400

Telefone: (53) 3232-2303 - Celular: (53) 99164-7867 -

Pelotas

Endereço: - - RS

Telefone: (53) 9165-9164

São José do Norte

Endereço: - - RS

Telefone: (53) 3238-1100

Rio Grande, 23 de Outubro de 2017

Rádio Cultura Riograndina - Rio Grande, Rs.

Está no ar

Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Mala Direta

Artigos

Lançamento de meu livro na PUCRS

Publicado 05/10/2017

Santo de casa não faz milagre? Em geral, não. É o que dizem. Salvo se despertar da sua inércia e agir. Já lancei meus livros por toda parte, até na rua. Em certo momento, lancei literalmente: joguei para cima e fiquei esperando para ver quem os recolheria. Apareceu interessado. Venho trilhando o Rio Grande do Sul em lançamentos frenéticos. Aí me dei conta de que nunca fiz isso, em sessão exclusiva de autógrafos, num lugar que adoro e onde trabalho há 22 anos: a PUCRS. Chegou a hora de corrigir essa falha grave. Hoje, a partir das 18 horas, autografarei, na Livraria Espaço Cultural, no térreo do prédio 40, meu livro “Raízes do conservadorismo brasileiro: a abolição na imprensa e no imaginário social”.

Vem por aí a terceira edição.

Trabalhar na PUCRS tem sido uma alegria constante na minha vida. Adoro o contato com os alunos, a curiosidade espontânea e apaixonada da gurizada da graduação, a seriedade dos mestrandos e doutorandos, a determinação da universidade em crescer. Nos últimos rankings, a PUCRS aparece como a melhor universidade privada do país. Nada mais justo. Nosso Programa de Pós-Graduação em Comunicação, na minha suspeita, mas modesta opinião, continua sendo o mais completo do país: tem a melhor publicação acadêmica da área, a Revista Famecos, editada pela professora Beatriz Dornelles, o melhor evento, o Seminário Internacional da Comunicação, e os mais efetivos e permanentes acordos internacionais, com intercâmbio de alunos e professores. O Programa de Letras da PUCRS tirou nota máxima na avaliação da CAPES. Um show.

Em entrevista ao jornal “O Povo”, de Fortaleza, lembrei algumas coisas. O que mais chama a atenção é encontrar em 1888 os mesmos termos usados hoje para tentar assegurar os direitos dos poderosos. O Barão de Cotegipe, desesperado para frear a história, falou em nome da responsabilidade, da razoabilidade, do bom senso, da ponderação, da prudência, da boa fé e do direito: “Ninguém acreditará, no futuro, que se realizasse com tanta precipitação e tão poucos escrúpulos a transformação que vai aparecer”. E reclamou o respeito à lei: “A propriedade sobre o escravo, como sobre os objetos inanimados, é uma criação do direito civil. A Constituição do Império, as leis civis, as eleitorais, as leis de fazenda, os impostos, etc., tudo reconhece como propriedade e matéria tributável o escravo, assim como a terra”. O projeto da lei do Ventre Livre foi rotulado de comunista por um deputado, Almeida Pereira, na desesperada tentativa de bloqueá-lo. Rui Barbosa teve de defender-se: “Onde estribar, pois, essas imputações de socialismo, de proselitismo comunista, com que nos tentam desarmar?” O senador Paulino de Sousa apelou para aspectos jurídicos e humanitários. Afirmou que a lei Áurea era inconstitucional, antieconômica e desumana. Sempre os mesmos artifícios e argumentos.

O papel dos negros foi decisivo. No meu livro, escrevi o seguinte comentando um texto do jornal “Novidades”, que fez o balanço da luta pela abolição: “Uma viagem do imperador a São Paulo, na leitura de Novidades, selara o fim do trabalho servil: ‘O ministro da agricultura de então que o acompanhava, o Sr. Conselheiro Prado, deveria ter visto sem dificuldade qual era a política a adotar. Todos reconhecem que a questão servil terminou pela impossibilidade, que num ponto importante do Império se demonstrou existir em conter os escravos’. Era, desde sempre, a questão central: como conter, salvo pela força bruta permanente, aqueles que só podiam desejar a fuga, a ruptura dos grilhões e até a morte dos seus raptores? Como foi que demorou tanto tempo para o começo das fugas massivas? O ideal do produtor rural do século XIX ainda era a paz e a ordem garantidas pela violência estatal. O custo de repressão tornara-se um obstáculo à perfeição do modelo engendrado pelo capitalismo agrícola. Era preciso pagar pela repressão, pelos anúncios de fuga nos jornais, pelos serviços dos juízes, pelo trabalho dos capitães-do-mato e pela agilidade policial”. Se alguém estiver de bobeira no campus, apareça.

Leia mais sobre: Artigos

Fonte: Juremir Machado da Silva - Corrio do Povo

Compartilhe

Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS

Enquete

Você concorda com o fim do auxílio-reclusão e a criação de um benefício para as vítimas dos crimes?

Resultado

Banner1 178x317

Banner7 178x88

Banner5 178x88

Topo 982x346

Banner3 178x88

Banner4 178x88

Banner2 178x88

Banner6 178x88