Container

Rádio Cultura Riograndina

Endereço: General Osório - Edifício Câmara do Comércio - , 430/Sala 204 - Centro - rio grande - RS - CEP 96.200-400

Telefone: (53) 3232-2303 - Celular: (53) 99164-7867 -

Pelotas

Endereço: - - RS

Telefone: (53) 9165-9164

São José do Norte

Endereço: - - RS

Telefone: (53) 3238-1100

Rio Grande, 20 de Setembro de 2018

Rádio Cultura Riograndina - Rio Grande, Rs.

Está no ar

Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Mala Direta

Artigos

Julho Amarelo: campanha faz alerta sobre câncer nos ossos e explica como a medicina nuclear pode colaborar no diagnóstico precoce da doença

Publicado 03/07/2018

Os tumores ósseos podem atingir qualquer osso do corpo, mas são mais comuns em ossos longos, como os dos braços, pernas, coluna e bacia. O tumor pode surgir diretamente no osso (primário) ou decorrer de câncer em outro órgão, com metástase nos ossos (secundário). Qualquer tumor pode desenvolver metástase, mas elas são mais comuns nos da mama, do pulmão, da próstata, da tireóide, dos rins e do trato gastrointestinal.

O mês de julho, denominado Julho Amarelo, foi escolhido para conscientizar a população sobre a doença e a importância do diagnóstico precoce para um tratamento mais rápido e efetivo. Segundo dados do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into), o tumor ósseo representa 1% das patologias oncológicas no Brasil, e 10% dos pacientes com câncer acabam apresentando metástase óssea.

Os tumores ósseos, em geral, raramente são fatais, mas são perigosos e requerem tratamento. Entre os sintomas estão dor nos ossos, inchaço e sensibilidade na área afetada, ossos quebradiços, fadiga, perda de peso e febre. A Medicina Nuclear conta com dois exames que identificam as metástases câncer ósseo, antes das alterações anatômicas, ou seja, antes que elas estejam visíveis. É a Cintilografia Óssea e o PET/CT.

Cintilografia Óssea

O exame avalia o funcionamento dos órgãos e apresenta um diagnóstico por imagem, gerado pela injeção intravenosa do radiofármaco 99mTc-MDP, que é captado pelo tecido ósseo e marca os tumores presentes - visualizados por meio de equipamento especial que cria uma imagem do esqueleto, além de indicar possíveis metástases - se a doença se disseminou para outros ossos, e avaliar o dano causado no osso acometido.

A Cintilografia Óssea pode também diagnosticar uma fratura, quando ela não pode ser vista no raio X. Além disso, o exame pode diagnosticar também infecção óssea (osteomielite) e distúrbios metabólicos, como osteomalacia, hiperparatiroidismo primário, osteoporose, síndrome de dor regional complexa e doença de Paget. Esta técnica permite detectar lesões com até quatro meses de antecipação em relação à radiografia simples.

O material radioativo é eliminado pela urina e desaparece do corpo em 24 horas. A quantidade de radioatividade utilizada é baixa, não oferecendo risco para o paciente ou para pessoas próximas.

PET/CT

O PET/CT é um exame altamente específico para detectar precocemente as concentrações cancerígenas no órgão, além de identificar possíveis metástases. O método reúne o já consagrado PET/CT (Tomografia por Emissão de Pósitrons e Tomografia Computadorizada) com traçadores (radiofármacos) que são captados pelas células cancerígenas. Com isso, o PET/CT consegue localizar os sítios de concentração do câncer, pela incidência do radiofármaco no organismo.

Neste exame, injeta-se um radiofármaco na veia do paciente, que se concentra nas lesões tumorais, localizando os focos de metástases. Uma análise do corpo inteiro é realizada com alta precisão. De acordo com o médico nuclear e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, George Barberio Coura Filho – responsável clínico da Dimen SP (www.dimen.com.br), o PET scan pode ajudar a diagnosticar se a doença evoluiu para determinar qual o melhor tratamento para combater o câncer e garantir maior qualidade de vida ao paciente. "Esta tecnologia nos permite conhecer a localização exata do câncer e determinar sua extensão, o que possibilita escolher o tratamento correto para o tipo de lesão", explica o especialista. O tratamento dos tumores ósseos podem envolver cirurgia, quimioterapia, radioterapia ou uma combinação delas.

Medicina Nuclear

Ainda pouco conhecida pelos brasileiros, a especialidade analisa a anatomia dos órgãos e também seu funcionamento em tempo real, permitindo diagnósticos e tratamentos mais precoces e precisos. A prática atua na detecção de alterações das funções do organismo acometidos por cânceres, doenças do coração e problemas neurológicos, entre outros.

A medicina nuclear conta com exames de alta tecnologia, como o PET/CT, que é capaz de realizar um mapeamento metabólico do corpo e captar imagens anatômicas de altíssima resolução, com reconstrução tridimensional, localizando com exatidão nódulos, lesões tumorais e inúmeras outras condições clínicas. O SPECT/CT é a tecnologia de diagnóstico mais rápida, precisa e com menos radiação, que permite melhor localização anatômica dos achados de cintilografia, permitindo um procedimento mais preciso e menos invasivo.

Leia mais sobre: Artigos

Fonte: George Barberio Coura Filho

Compartilhe

Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS

Enquete

Você concorda com o fim do auxílio-reclusão e a criação de um benefício para as vítimas dos crimes?

Resultado

Banner1 178x317

Banner7 178x88

Banner5 178x88

Topo 982x346

Banner3 178x88

Banner4 178x88

Banner2 178x88

Banner6 178x88